quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

O Ano das Grandezas de Deus


Esses últimos dias do Ano de 2015 foram dias de reflexão, eu não sei você, porém eu gosto de meditar em tudo que aprendi para não cometer os mesmos erros nesse novo ano que se inicia.

Sei que não foi um ano fácil, aliás foi um ano cheio de lutas, mas ao final de cada uma delas, cânticos de vitórias se ouviram na casa do justo.

O títulos do Ano de 2015 foi Ano das grandezas de Deus; Deus tem suas maneiras de manifestar a sua grandeza, aliás seus pensamentos não são iguais ao nosso; pra nós tempo para Ele Kairós; pra nós impossibilidades para Ele Tudo é possível; sua matemática é diferente, o zero é multiplicável; a perda é sinal de ganho; o último é o primeiro. 

A sua grandeza se manifestou, onde nos vimos tão pequenos, Ele se revelou quão grande; na nossa fraqueza aperfeiçoou a sua força; vimos a nossa dependência. O vaso se quebrou nas mãos do oleiro, somos vaso, somos barro, mas o autor da nossa história é Imutável, Santo, Maravilhoso, Grandioso e Soberano a sua vontade sempre prevalece.

Tudo que vivemos foi para desenvolver em nós uma fé forte e sólida; a nossa confiança e a nossa fé se tornaram ainda mais fortes na medida que cremos. Sim podemos ter a certeza que tudo vai ficar bem, pois conhecemos o quanto DEUS nos ama, pois o Espírito Santo foi nos dado para encher os nossos corações do Amor.

Aprendi que a minha alegria não depende de circunstâncias, podemos nos alegrar diante das lutas, pois temos um DEUS que não nos deixará desistir. Agora entendi porque "Alegrai-vos sempre".

Aprendi  alguns desejarão a sua companhia outros apenas a suportarão; devemos dar valor aqueles que escolheram nos amar.

Aprendi que o poder a influência pode nos levar pra mais perto dos propósitos de Deus ou nos distanciar deles. Por isso devemos ser influenciados tão somente pelo Espírito Santo.

Aprendi que a oração do Pai Nosso é tão séria, que ela só pode ser feita por um coração perdoador; na medida que sou perdoado, ofereço perdão... Confiar o meu direito de justiça nas mãos daquele faz brilhar o sol da justiça, por isso escolhi ser parecido com Jesus.

Aprendi que na caminhada cristã as vitórias são para serem celebradas, mas  o guerreiro não deve deixar o campo de batalha e as armas não deverão ser guardadas, pois nos momentos de vitórias que as tentações se intensificam e os nossos instintos ficam aflorados; lembrem-se de Davi. Então devemos levantar as armas e voltar para guerra rapidamente.

Aprendi que sempre existirão pessoas querendo que acreditemos que somos como Lia "fruto de engano" e do "acaso", porém esqueceram que você foi chamado e escolhido. Nesse momento ouça as batidas do coração de Deus que grita o seu nome dizendo: "Eu te escolhi". Então o que dizer diante de tal afirmação? Somente: 
"Sou fruto do Amor de Deus! Eis me aqui cumpra em mim a sua vontade!"




Um comentário: